Kasinski

E agora Kasinski? A busca o caminho da salvação

RIO – Era 1999 e o empresário Abraham Kasinsky (com “Y”), ex-dono da fábrica de amortecedores Cofap, fundou a marca de motos Kasinski (com “I”) . A montadora tinha a sul-coreana Hyosung como única fornecedora e chegou a conquistar o terceiro lugar em vendas no Brasil, atrás apenas de Honda e Yamaha.
Corta para 2009. Kasinsky vende a Kasinski para o empresário Claudio Rosa (vindo da falida Sundown), que compra a marca em socidade com a chinesa Zongshen. Há grandes planos e várias novidades são mostradas no Salão Duas Rodas de São Paulo, em 2011.
Depois disso, porém, tudo deu errado. O crédito — fundamental para a venda de motos no Brasil — minguou, a marca encolheu, concessionários fecharam, ações se acumularam e consumidores reclamaram.
Desde setembro passado, a fábrica de Manaus não informa mais os números das operações à Abraciclo (entidade que reúne os fabricantes brasileiros de motos). As três linhas de montagem foram desativadas. E agora?
Procuramos a empresa para saber o que acontece e o que vai acontecer com a Kasinski. Segundo a direção da companhia, há uma reestruturação em curso. Na teoria, faz sentido e pode dar certo. Mas, no mundo real, a marca poderá fechar as portas.
A Zongshen saiu da sociedade. A empresa ficará apenas com o atual presidente, Claudio Rosa, e um novo sócio e investidor (mantido em sigilo), que está finalizando a compra da parte da Zongshen e terá cerca de 80% das ações (o resto continua com Claudio Rosa). A Zongshen seguirá apenas como fornecedora, ao lado da Hyosung.
Pelos planos, haverá uma “fábrica” em Manaus, com duas linhas de montagem. A antiga podia fazer 110 mil motos por ano. A nova linha de montagem é para menos da metade disso, e a previsão é de que comece a operar em três meses.
Fontes ligadas à marca dizem que a Kasinski ainda tem cerca de 4 mil motos em estoque. Esse volume seguraria as vendas por uns quatro meses. Já o projeto da linha que montaria scooters elétricos em Sapucaia, no Estado do Rio, subiu no telhado — o espaço vem sendo usado como depósito.
Claudio Rosa tenta mostrar otimismo e afirma ser possível operar com um faturamento de R$ 120 milhões por ano. Mas, ao ser questionado sobre o eventual fim da marca, mantém os pés no chão:
— Temos um plano bem traçado, um investidor sério e os fornecedores. Acho que podemos evitar o fim — afirma.

 

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/kasinski-busca-caminho-da-salvacao-11640035

Kasinski está com suas operações praticamente paralisadas

A solução para a empresa é a entrada de um novo grupo investidor…

Segundo entrevista concedida pelo presidente atual da Kasinski, Cláudio Rosa Júnior ao Mário Curcio do site Automotivebusiness.com.br, com a produção parada desde 2013 por causa da retração do mercado e dificuldades internas, a Kasinski aguarda agora a entrada de um novo sócio para viabilizar sua volta ao jogo. A empresa torce para que o futuro parceiro, um fundo de participação, entre com R$ 25 milhões a R$ 30 milhões para a retomada da produção.

“O novo sócio ficará com 70% a 80%”, afirma o empresário, que aguarda esse desfecho em no máximo 60 dias, sem revelar o nome do futuro parceiro. Para o presidente ficarão os 20% a 30% restantes. Com isso, a chinesa Zongshen, que detém os outros 50% da Kasinski e enviava para montagem local as motos até 150 cc, sairá da sociedade. Seu papel será restrito ao fornecimento.

Segundo Cláudio Rosa Júnior, ainda de acordo com a entrevista concedida e publicada originalmente no site Automotivebusiness.com.br, se a nova sociedade vingar, ela não poderá comprar motos de outro fornecedor chinês que não seja a Zongshen. As expressões “Ou vai o racha” e “É agora ou nunca” parecem explicar bem o momento atual da Kasinski.

Confira matéria na íntegra em http://automotivebusiness.com.br/noticia/19002/kasinski-aguarda-novo-socio-para-se-levantar

logo-pt

Kasinski cancela estande no Salão Duas Rodas 2013

Marca diz que fará ação paralela no lugar de participação no salão.
Principal feira do setor ocorre de 8 a 13 de outubro, em São Paulo.

A Kasinski, marca de motos integrante do grupo sino-brasileiro CR Zongshen, cancelou seu estande no Salão Duas Rodas 2013, informou a organização do evento.
O nome da empresa já não consta na lista de expositores da principal feira do setor de motos do Brasil, que ocorrerá de 8 a 13 de outubro, no Anhembi, em São Paulo.
Consultada pelo G1, a Kasinski afirmou que fará uma ação paralela no lugar da participação no salão.

De acordo com a Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores (Fenabrave), os números mais atualizados de vendas, mostram que, de janeiro a maio de 2013, a Kasinski fechou com 4.597 unidades emplacadas no país, enquanto, no mesmo período de 2012, foram 11.029 motos emplacadas.
Isso representa queda de vendas de 58,32%, enquanto o mercado de motos apresenta baixa de cerca de 10% no 1º semestre de 2013. Até junho de 2013, a Kasinski produziu apenas 3.552 unidades em Manaus, de acordo com números divulgados pela Associação dos Fabricantes de Motocicletas e Similares (Abraciclo).
No mesmo período em 2012, foram produzidas 21.857 unidades pela empresa, que fechou o ano passado com 30.786 unidades fabricadas em Manaus.

Serviço
Salão Duas Rodas 2013
Quando: de 8 a 13/10
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo (SP)
Horários: das 14h às 22h (entrada até as 21h) de 8 a 12/10; das 11h às 19h (entrada até as 17h) no dia 13/10
Ingressos: venda antecipada até 7/10 pelos sites www.salaoduasrodas.com.br e www.ticketsforfun.com.br e na bilheteria do Credicard Hall (Av. Nações Unidas, 17.955); nos dias do evento também haverá venda nas bilheterias do Anhembi

Preços dos ingressos antecipados (até 7/10):
– inteira
R$ 15 (para o dia 8/10), R$ 25 (para 9 a 11/10) e R$ 35 (para 12 e 13/10)
– meia entrada para crianças de 6 a 12 anos, estudantes, professores rede pública estadual, aposentados e idosos acima de 60 anos)
R$ 7,50 (para o dia 8/10), R$ 12,50 (para 9 a 11/10) e R$ 17,50 (para 12 e 13/10)
– kit fã (2 ingressos e uma camiseta)
R$ 60 (para o dia 8/10), R$ 80 (para 9 a 11/10) e R$ 100 (para 12 e 13/10)
– motoclubes (20% de desconto)
R$ 12 (para o dia 8/10), R$ 20 (para 9 a 11/10) e R$ 28 (para 12 e 13/10)
– grupos e caravanas (30% de desconto)
R$ 10,50 (para o dia 8/10), R$ 17,50 (para 9 a 11/10) e R$ 24,50 (para 12 e 13/10)
– redes sociais do evento (20% de desconto)
R$ 12 (para o dia 8/10), R$ 20 (para 9 a 11/10) e R$ 28 (para 12 e 13/10)
Preços nos dias de evento:
– inteira
R$ 20 (para o dia 8/10), R$ 30 (para 9 a 11/10) e R$ 40 (para 12 e 13/10)
– meia
R$ 10 (para o dia 8/10), R$ 15 (para 9 a 11/10) e R$ 20 (para 12 e 13/10)
Os ingressos kit fã e redes sociais são limitados.

mewgelli_comet_150sr

Queremos a Comet 150SR ou 250SR

Depois de ver a Megelli no Salão do Automovel de 2012, fiquei encantado, apesar de não ter o porte da Comet 250, ela tem a cara e o estilo de uma Ducati.

Hoje encontrei uma comunidade interessante no facebook que pretende fazer um abaixo assinado para que ela realmente venha para o brasil.

E ai Kasiski!? Vai trazer ou não!?

Curta a pagina você também!

https://www.facebook.com/AbaixoAssinadoComet150srOu250sr

Veja o comparativo da Honda CBR250R X Kasinski-Hyosung GT250R X Kawasaki Ninja 300

Veja o teste 2013 Lightweight Sportbikes on the Dyno comparando a  Honda CBR250R x Hyosung GT250R x Kawasaki Ninja 300
Veja mais:  http://www.sportrider.com/bikes/2013/146_1302_2013_250cc_sportbikes_dyno/viewall.html#ixzz2KlkH5DFE

Novos Modelos da Hyosung para 2013

DSK Hyosung, juntamente com o lançamento da GV650 Aquila hoje também lançou a versão 2013 do GT650R para a Índia. A versão 2013 da Hyosung GT650R basicamente recebe mais ou menos praticamente apenas uma atualização estética. A atualização foi em linha como a maior capacidade e preço GT650R tinha aparência semelhantes ao GT250R dificultando sua exclusividade. Mudanças cosméticas incluem um elegante muito procurando carenagem frontal e de fato um front-end muito mais compacto procurando comparação ao seu antecessor. Provavelmente, a única mudança técnica é a adição de um novo sistema de suspensão que KYB reivindicação Hyosung irá ter uma influência positiva sobre o manuseamento.

A Hyosung GT650R 2013 ostentar o mesmo motor 647cc que põe para fora 72.68BHP a 9.000 RPM e 60.9Nm de torque a 7.500 RPM. Ele estará disponível em três novos esquemas de cores com as cores primárias: vermelho, branco e preto. Confira mais fotos da Hyosung GT650R 2013 na galeria abaixo.

Novo Site da Kasinski em WordPress

Novo Site da Kasinski foi construído usando a Plataforma Livre WordPress! Seguindo um padrão mundial de desenvolvimento!

 

O que vocês acharam do novo site!?

nova_kasinski_2013

Video Nova “Hyosung/Kasinski Comet GTR 650 2013”

Possivelmente este vai ser o novo modelo da Hyosung GTR para 2013, aqui fica o vídeo;
As mudanças que notei foram apenas na frente (e as cores);

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...